SBTVP - Sociedade Brasileira de Terapia de Vida Passada


ECTOPLASMA E TERAPIA DE VIDA PASSADA

Autor: Luciano Munari

Está introduzido de forma definitiva o conceito de ectoplasma como uma das maiores descobertas para toda a medicina e a psicologia, para este novo século que se inicia. O que é, como é formado e como interfere na formação das doenças físicas e emocionais. Temos hoje mais de uma centena de sintomas clínicos relacionados ao ectoplasma, seu acúmulo e manipulação por "presenças" espirituais.

A pergunta maior é: para que finalidade serve o ectoplasma, além de causar desconforto? A resposta é encontrada na biografia do espírito ao longo das várias encarnações. É comum encontrar nas sessões de regressão da Terapia de Vida Passada, várias histórias que se repetem, onde personagens cometeram lesões físicas em outras pessoas, sejam lesões pela própria mão ou por ordens deles proferidas.

Havia uma desqualificação sumária ao outro, tanto ao psiquismo quanto principalmente ao físico. Afinal, em vidas passadas, não tínhamos ainda uma noção mais elaborada de que deveríamos viver para aprender o amor. Quando éramos contrariados, queríamos dar o troco. A história da Humanidade é cheia de relatos assim. Quando desejávamos fazer as pessoas sofrerem, fazíamos,muitas vezes, através da agressão física..

É sobejamente conhecido que todos nós ainda lutamos para aprender a reparar nossos erros, ou seja, tornarmo-nos "responsáveis pelo erro" e não "culpáveis pelo erro". Mas, mesmo assim, ainda temos nossas culpas e visto que a culpa deixa de existir somente quando há o perdão, por aí vemos quão difícil é perdoar aos outros ou a nós mesmos.

A imagem que tenho quando alguém tem um corpo que é grande produtor de ectoplasma é a de que essa pessoa, quando em espírito, antes de reencarnar ao passar por uma reavaliação de suas vidas pretéritas onde teve decisões enganosas e visualizou seus hábitos agressivos, falasse para si mesmo que não agüenta mais ser daquele jeito, que necessita mudar nem que seja a força. O espírito constata pela reavaliação de que quando reencarna, esquece seus compromissos de auto-aprimoramento. Assim, volta a reincidir quase que compulsivamente nos velhos atos agressivos.

Nesta situação é que ele pede para ter um corpo adequado às suas reais necessidades de aprendizado para ser feliz. Assim, um corpo produtor de ectoplasma funciona como uma lembrança de que existe uma meta a ser realizada. Tal meta consiste no auto-aprimoramento com conquista de virtudes, com vistas a atingir a finalidade da existência: ser feliz. Essa decisão do espírito, no período prévio à sua reencarnação, de possuir um determinado corpo produtor de ectoplasma é o que chamamos de carma. É uma decisão lúcida do espírito de se expor a determinadas situações para conquistar virtudes. É com esse corpo que o espírito tem a oportunidade de se voltar para a meta de auto-aprimoramento porque tem a chance de se voltar para atividades altruístas onde esse ectoplasma poderá ser utilizado em benefício da coletividade. O ectoplasma é material utilizado pela espiritualidade para as chamadas curas espirituais.

Contudo, toda vez que voltasse a se comportar de maneira desastrosa como espírito (embora não tenha essa visão clara quando está encarnado), viria a sintonizar-se com suas "Presenças", as quais manipulariam, então, seu ectoplasma, causando desconforto. Forçado, desse modo, a pedir ajuda, quebraria aquele orgulho de "Não preciso de ninguém", ou "O que eu sei já me basta para viver".

Ao mesmo tempo em que a manipulação do ectoplasma por "Presenças" pode servir de limite, forçando-nos a parar com o modo pelo qual agíamos, também apresenta uma finalidade bem maior e que pode nos tornar mais satisfeitos conosco mesmo - a cura espiritual.

É necessário que se acompanhe o raciocínio para entender o que o ectoplasma tem a haver com essa "cura espiritual".

Cada um de nós já deve ter passado ou ter conhecido alguém que quando entra em locais "pesados", como ambientes de hospital, notadamente Pronto-Socorro, entra em contato com pessoas doentes fisicamente ou de algum transtorno mental começa a se sentir mal.

Contarei uma história já conhecida ou ao menos vivida por muitos. O Fulano, que está muito mal psiquicamente, anda nervoso e tenso. Foi conversar com o Beltrano, que é possuidor de quantidade significativa de ectoplasma e às vezes tem sintomas. Fulano se aproxima de Beltrano para contar como está a vida. E aí o Fulano descarrega aquela conversa para o Beltrano, das queixas da vida, da amargura com os familiares e da insatisfação com o trabalho e logicamente sem deixar de contar que a sua saúde está precária, as juntas doem, o coração está deficitário, as crises de enxaqueca e outros males mais.

Depois de quase de meia hora de conversa, o Beltrano que estava muito bem psiquicamente e fisicamente, já está amargurando uma sensação de corpo ruim com dor generalizada e consegue, então, naquela fração de segundos em que o Fulano parou para respirar e deixou de mover as cordas vocais, falar que tem compromisso a realizar e que já está atrasado e infelizmente não pode mais conversar. O Fulano agradece, embora quisesse falar mais, e diz: "Foi tão bom te encontrar, Beltrano! Precisamos nos ver mais vezes!". E sai todo contente, feliz, radiante.

Do outro lado fica o Beltrano indo cabisbaixo e desanimado para o compromisso, quase que corcunda, em passos cansados, sentindo-se caolho, como que com seqüela de um derrame.

O caso relatado é típico; várias pessoas já o vivenciaram, e por vezes são chamadas de impressionáveis. Contudo há uma base fisiológico-espiritual para tanto - o ectoplasma.

Tem-se a impressão de que houve uma transfusão da energia de um para outro e o doador saiu exaurido de suas forças. Aparece aí mais uma característica do ectoplasma que é a difusão para o local onde há menor concentração. O ectoplasma é, portanto, em parte das vezes, substância de movimento involuntário, não dependendo do querer do médium.

Tenho observado que quando o equilíbrio psíquico da pessoa se manifesta de modo a separar melhor o que é seu do que é do outro, noção de self - no self, há uma tendência significativa a ser menos intensa essa "desnutrição de transfusão", ou de outra maneira: a difusão é menor.

Os dados sugerem que a vida força o indivíduo que possui o "ectoplasma de transfusão" a procurar "descobrir em si mesmo as próprias características de personalidade". Como que a dizer o "conhece-te a ti mesmo", da inscrição do portal do templo de Delfos, para que aprenda a separar melhor o que é de si mesmo daquilo que é de outra pessoa.

Sobre o Autor(a) deste Artigo