SBTVP - Sociedade Brasileira de Terapia de Vida Passada


COMO SE FORMAM OS MEUS DEFEITOS

Autor: Maria Teodora Guimarães

Muitos se constrangem quando o assunto passa pelos defeitos humanos.
A menos que o ser seja perfeito e paire acima do bem e do mal, todos têm defeitos.
Seria o defeito apenas a falta do aperfeiçoamento de um sentimento positivo, como a empatia ou a generosidade, por exemplo? Se assim fosse seria muito simples, pois bastaria aperfeiçoar a qualidade oposta.  Essas conclusões poderiam, no máximo, ser um bom exercício, mas as causas mais coerentes passam bem longe disso.

As causas

A grande questão é que, durante muito tempo, nos acostumamos a responder ou lidar com a vida de determinada maneira, simplesmente porque dava certo.
Nossa posição social, moral, etc., além dos dramas e traumas das diversas épocas, assim como os costumes, favoreciam ou permitiam nossas falhas de caráter.
Ficamos condicionados. Criamos caminhos mentais, estradas e só sabemos andar por elas, isto é, acostumamos a fazer sempre um mesmo caminho, a reagir sempre da mesma maneira frente às dificuldades do dia a dia.
O problema pode ser agravado por duas circunstâncias: a primeira é que, geralmente, não percebemos o absurdo de nossas reações, pois não prestamos atenção no que sentimos ou fazemos e a segunda razão é porque podemos recolher lucros psicológicos secundários, como, por exemplo, justificar nossas teses de vidas ou ainda exibir nossas emoções favoritas.

Exemplo

Por exemplo, uma pessoa que vem através dos tempos acostumada a sobreviver oscilando entre posturas de algoz e vítima, não aprendeu a resistir aos embates da vida de maneira mais saudável. Como não existem nos dias de hoje razões verdadeiras nem para uma posição nem para outra, fica perdida. Como hoje em dia ninguém mais aceita ser dominada por ela, se transfere para o plano B, o outro caminho que lhe é familiar e então, inconscientemente, dá um jeito de adaptar seu defeito principal, que é a prepotência do antigo algoz, numa eterna lamentação, como a antiga vítima, já que a vida não mais lhe rende a obediência do passado.

Teses de vida e sentimentos favoritos

Sua tese de vida gira em torno de que ninguém a ama e que, portanto, é mesmo uma vítima. Seu sentimento favorito é a falsa tristeza. Falsa porque a ninguém contagia, já que a emoção verdadeira é a raiva por não ter suas vontades atendidas.
Não somos mais nem os senhores de escravos e tampouco os próprios escravos. Isto é, a sociedade não aceita que imponhamos nossos desejos, mas também não nos reconhece como vítima. E agora?
Agora tudo isso implica em primeiro admitir nosso estilo de vida e depois estarmos atentos e resignados, porque o caminho atual não mais permite darmos largas aos nossos defeitos.

DEFEITOS MAIS COMUNS E SUAS CONSEQUÊNCIAS

(impedem a nossa felicidade e podem variar muito em intensidade)

DEFEITO SIGNIFICADO O QUE ACONTECE CONOSCO REAÇÃO DAS PESSOAS
Prepotência Queremos tudo do nosso jeito Nos vitimizamos Se irritam
Egoísmo Só pensamos em nós Ficamos sozinhos Nos criticam ou ignoram
Orgulho Nos achamos melhor que os outros Ninguém acredita nisso Fazem chacota pelas costas
Intolerância Somos agressivos Ninguém gosta da gente Agressividade ou desprezo
Inveja Queremos a felicidade dos outros Nos frustramos Nos acham melindrosos ou hipócritas

 

Sobre o Autor(a) deste Artigo